Top 5 – Momentos Inspiradores do cinema (contra a repressão)

A onda de protestos pelo Brasil contra corrupção representou, de modo geral, uma lição de cidadania e nos levou a fazer este Top 5 com alguns dos momentos mais inspiradores do cinema, com enfoque na luta pelos seus ideais, pela igualdade e pela democracia.

Assista e veja se concorda conosco, ou nos diga que grande momento você acha que faltou.

5 – 300

No filme, são apenas 300 espartanos lutando contra milhares de persas. Sua luta é por sua nação e seus ideais, por isso, mesmo sabendo que enfrentam a morte certa, Leônidas e seus seguidores rumam de cabeça erguida ao seu último e derradeiro confronto. Seu objetivo não é vencer a guerra, mas para mostrar que poucos podem enfrentar muitos e ainda assim se fazer ouvir pela eternidade.

4 – Sociedade dos Poetas Mortos

Sociedade dos Poetas Mortos conta a história de um professor que decide ensinar de forma diferente, ele quer que seus alunos pensem além do que eles foram programados. Por isso, ele foca em torná-los pensadores, mostrando que a vida é muito curta para ser vivida dentro de paradigmas pré-estabelecidos. Nesta cena, o professor foi mandado embora, porém seus alunos desafiam a ordem em vigor e mostram que nada foi em vão.

3 – Coração Valente

A saga de William Wallace, herói escocês que liderou os rebeldes contra o poderoso e opressor exército inglês. Uma das batalhas mais famosas foi a de Stirling, onde liderando um exército de homens simples, foram capazes de derrotar os britânicos e inflamar os demais escoceses rumo a liberdade.

2 – V de Vingança

Numa nação oprimida por um forte regime ditatorial, que inibe praticamente qualquer pensamento individual, um homem prova que pode fazer a diferença quando difunde seu ideal para os demais. Embora o homem venha a perecer, sua ideia segue viva em todo o restante da população, que se rebela para derrubar o Governo.

1 – O Grande Ditador

Abdicar de ser um ditador e talvez dominador do mundo não é fácil, mas é isso que faz o personagem de Chaplin ao tomar o lugar do Ditador, que dá o título ao filme. Uma vez em seu lugar, ele utiliza-se do palanque para fazer um discurso que até hoje se mostra pertinente, não importanto aonde você viva.