Resenha – X-Men: Apocalipse

X-Men: Apocalipse é o sexto filme da equipe de mutantes, sendo o quarto dirigido por Bryan Singer. A história se passa 10 anos após os eventos de Dias de um Futuro Esquecido. Aqui somos apresentados a um mundo onde os humanos já começam a tolerar mais os mutantes, isso muito devido aos atos de Mística ao publicamente ajudar a impedir os planos de Magneto.

Esse longa funciona muito melhor como uma sequência natural de X-Men: Primeira Classe do que propriamente do Dias de um Futuro Esquecido, pois temos o retorno de mais personagens e da dinâmica do filme dirigido por Matthew Vaughn.

O longa começa nos apresentando o primeiro mutante, En Sabah Nur/Apocalipse, um ser viveu por milhares de anos, sendo considerado por muitos como um Deus. Porém, devido a um levante em um raro momento de vulnerabilidade, acabou sendo levado a sono profundo que durou dos tempos do Egito antigo até o fim dos anos 80, período no qual se passa a ação do filme. O retorno de Apocalipse representa verdadeiro terror para humanidade, vez que o mutante almeja criar um novo mundo onde somente os fortes viverão e serão governados por ele. E, para encontrar os mais fortes o planeta passará por uma purificação, resultando na morte de milhões de pessoas.

apocalipse

O vilão do longa, apesar de possuir um objetivo que já vimos anteriormente, funciona bem e Oscar Isaac novamente demonstra sua versatilidade como ator em performance convincente. Entretanto, fica claro que o objetivo do filme não estava meramente em contar a história dessa saga, o que acaba tirando um pouco da experiência… Percebe-se que o plano por trás de X-Men: Apocalipse é também apresentar a formação de um novo grupo de X-Men, por mais que tenhamos personagens já mostrados anteriormente.

Com isso, temos a presença dos jovens Ciclope, Jean Grey e Noturno, todos muito bem desenvolvidos por seus intérpretes, respectivamente Tye Sheridan, Sophie Turner e Kodi Smit-McPhee. Os três jovens sustentam os grandes astros do filme, Charles Xavier (James McAvoy), Magneto (Michael Fassbender) e Mística (Jennfer Lawrence), personagens sobre os quais a trama flui na maior parte do tempo, com cada um desses tendo papel diferente nos eventos.

X-Men Apocalipse

Em termos de ação, esse filme fica devendo um pouco em relação ao seu antecessor, mas a espetacular sequência envolvendo Mercúrio (Evan Peters) mais uma vez rouba a cena e ficará na lembrança dos fãs. Aliás, Mercúrio passa a ser um personagem mais bem desenvolvido e com mais camadas, indicando que certamente deveremos ver mais dele no futuro.

Ainda que seja um bom filme, X-Men: Apocalipse deixa novamente a desejar em um ponto onde Matthew Vaughn acertou em cheio com seu filme Primeira Classe. Neste longa, novamente falta mostrar os jovens X-Men sendo jovens, descobrindo seus poderes também com um senso de aventura e não sendo depressivos e extremamente preocupados o tempo inteiro. Aliás, este elemento está sempre presente nos quadrinhos e é uma das coisas que diferencia as histórias dos X-Men das dos demais super-heróis.

Enfim, Bryan Singer acerta muito mais do que erra em seu novo filme com os X-Men, mas ainda cabe uma visão com um pouco mais de leveza em determinados momentos e uma maior profundidade nos personagens, que fuja do simples senso de ser diferente dos humanos. De qualquer forma, o caminho para o futuro dos X-Men está sendo bem pavimentado e podemos esperar pelo melhor.

x_men_apocalypse

 

Ficha Técnica

X-Men: Apocalypse – 2016
Duração: 142 minutos
Gênero: Ação, Aventura
Diretor: Bryan Singer
Elenco: James McAvoy, Michael Fassbender, Jennifer Lawrence, Rose Byrne, Nicholas Hoult, Sophie Turner, Tye Sheridan, Kodi Smit-McPhee, Oscar Isaac, Olivia Munn, Lucas Till, Ben Hardy e Alexandra Shipp