Resenha – Vikings (4ª Temporada)

[Contém spoilers]

Com os desfechos da terceira temporada da série do History Channel, agora chegando com seu quarto ano, Vikings tem muitos problemas – na trama – para serem resolvidos, como traições e novas alianças.

Ragnar Lothbrok (Travis Fimmel), após quase invadir a cidade de Paris, acaba contraindo uma doença que coloca sua vida em risco. Sua saúde agora problemática dá o tom para os episódios, narrando sua decadência do inicio ao fim. Sua sanidade começa a ser questionada por amigos e familiares, já que suas derrotas acabam afetando a confiança que o povo tem sobre ele. Ragnar é um personagem cada vez mais bem desenvolvido, já que o publico percebe também como sua mentalidade muda após suas perdas e glórias de guerra, dando caráter e se aprofundando em sua psique.

Filhos de Ragnar ganham mais destaque

Muitos personagens que até então eram secundários começaram a ganhar espaço na tela, já que vemos muitas cenas e flashback de decisões do passado – visitando temporadas passadas – que vão impactar o personagem e dando assim um final para ele. Mesmo que Rollo (Clive Staden) e Lagertha (Katheryn Winnick) tenham ganhado espaço ao longo da serie tendo um desenvolvimento, os holofotes vão para os descendentes de Ragnar, mais especificamente Ivar (Alex Hogh Andersen) e Bjorn (Alexander Ludwig). Bjorn sai de seu papel secundário, assumindo o papel de homem adulto e tomando de volta sua mulher Torvi (Georgia Hirst) das garras de um Conde rival e liderando homem para exploração de terras que até então ainda eram desconhecidas.

Ivar acaba sendo o mais interessante de se observar, já que era uma criança mimada, o que resulta em sua fase adulta perigosa, regida pela fúria e disposta a destruir tudo para provar sua capacidade. Com uma mente brilhante e ataques de fúria, vemos uma personagem imprevisível, e mesmo que ameaçador, mantém sua carisma.

Com personagens secundários se tornando fortes e ganhando destaque, pode ocorrer uma bela batalha entre irmãos na próxima temporada. Mas a série acaba pecando com alguns outros personagens, como Ubbe (Jordan Patrick Smith), Hvitserk (Marco Islo) e Sigurd (David Lindstron), que acabam não tendo muito tempo de dela, o que os deixa sem nenhum tipo de motivação ou desenvolvimento na história.

Nesta quarta temporada, Vikings mostrou que ter mais acertos do que erros – que acabam sendo mínimos – nos apresentando um universo que ainda tem muito para ser explorado e é rico o suficiente para funcionar por mais um tempo, mesmo que ainda faltem melhorias em personagens secundários que podem ser tão interessantes quanto os principais.