Entendendo Logan Através De Easter Eggs

 “A natureza me fez uma aberração. O homem me fez uma arma. E Deus fez isso durar muito tempo”

Aplausos podiam ser escutados enquanto a tela escurecia, e assim como uma criança mimada a falta de uma cena pós-créditos fez falta para o público brasileiro, deixando todos no cinema, que já estavam com olhares avermelhados e pipocas levemente aguadas, decepcionados por terem esperado todos aqueles nomes difíceis de ler e a tempo segurando para ir ao banheiro após quase duas horas se aventurando na última história do canadense favorito da Marvel, enquanto isso público o americano se deliciava com “No Good Deed”, primeiro Teaser de Deadpool 2.

O diretor James Mangold, conhecido pela direção de “Wolverine: Imortal”, aproveita sua segunda chance para dirigir o filme definitivo do Mutante. Em “Logan” o universo mostrado poderia ser equiparado ao nosso devido ao realismo apresentado tanto na ambientação quanto na aparência dos personagens, envelhecidos e frágeis. A atuação da dupla Hugh Jackman e Patrick Stewart é o ponto chave da adaptação, com um olhar diferente da mitologia de super-heróis, um tom sombrio, decadente e extremamente pessimista, nos deixando com alguns nós na garganta devido a imersão deste excelente filme de “estrada”.

Logan consegue surpreender as mais altas expectativas com uma trama fechada num ritmo extremamente dinâmico. Caso você ainda não tenha assistido ao filme e esteja lendo este texto feche esta página independentemente da sua curiosidade, pois esse filme possui o selo Julius de aprovação de dinheiro gasto com sabedoria.

— O Texto Abaixo Contém Spoilers —

As Referências

O roteiro bebe diretamente de sua fonte original, pegando referência dos quadrinhos da antiga revista mensal do Wolverine e fazendo uma junção dos melhores momentos do personagem, tendo como base dois grandes arcos aclamados pela crítica. Começando pelo mais comentado desde o primeiro trailer, “Old Man Logan”, escrito por Mark Millar e ilustrado por Steve McNiven no ano de 2008, coloca o Carcaju em um futuro pós-apocalíptico, 50 anos após o evento onde todos os vilões juntaram forças em um plano definitivo para derrotar os heróis do universo Marvel, Wolverine foi um dos poucos que sobreviveram, porém para isso teve que pagar um preço alto.

Enganado por Mistério, sendo obrigado a assassinar todos os seus companheiros mutantes e com o espirito quebrado, ele jura nunca mais usar suas garras, e esse foi o dia em que “O Wolverine” morreu. Além de servir como cenário inicial para o filme, alguns quadros desenhados por McNiven foram recriados na telona como na cena do Hotel, quando Logan dá um gancho com as garras expostas em um dos capangas dos Carniceiros.

O outro arco claramente usado para montar o roteiro foi “Death of Wolverine”, escrita por Charles Soule e desenhada por Steven McNiven em 2014, após contrair um vírus alienígena durante uma missão pela S.H.I.E.L.D. Logan perde seu fator de cura, afastando-se de todos, pois assim que seus inimigos descobrissem seu novo ponto fraco qualquer pessoa ao seu redor estaria em perigo. Devido a alterações genéticas no ramo alimentício feitas pela empresa Alkali Transigen afetando diretamente os mutantes, um dos supostos motivos da suposta extinção do Homo Superior e do fator de cura de Logan não estar funcionando como antigamente, eis a razão para seu envelhecimento repentino e estado deplorável devido a intoxicação causada por seu próprio esqueleto de Adamantium.

Nesse arco é apresentado o soro de “regeneração” utilizado no filme, diferente da adaptação onde Logan utiliza para recuperar sua vitalidade e enfrentar os carniceiros em uma das cenas mais violentas da franquia, nos quadrinhos ele utiliza para salvar as vítimas usadas para recriar o programa Arma X. Os nomes citados por Laura durante a viagem, “Rictor, Rebecca, Bobby, Charlotte e Delilah” são mutantes presentes nos quadrinhos das equipes secundarias como X-Force e Geração X.

Contendo referências da saga “Onslaught”, Massacre foi um ser de pura energia psíquica, surgido das frustrações do Professor Xavier, somada com a essência maligna de Magneto, obrigando os heróis da editora a se sacrificarem para impedir o vilão. Foi uma estratégia utilizada pela Marvel para reiniciar o seu universo nos anos 90.

No filme Xavier desenvolve Alzheimer assim perdendo o controle de seus poderes, sendo considerado uma Arma de destruição em massa após causar um acidente em Westchester, onde ficava a antiga mansão dos X-Men, causando a morte de milhares de pessoas (incluindo sua família). Um dos motivos dessa tragédia pode estar ligado ao vilão Apocalipse, que teve a mente ligada a Xavier no último filme da nova trilogia, podendo ter deixado sequelas na mente do telepata, uma provável releitura da saga Massacre para o futuro nas telonas.

Linha Temporal

Graças a falta de planejamento da Fox, a linha do tempo dos mutantes já chegou no nível de virar meme pela internet a fora, mas depois do reboot da franquia com o filme de 2014 X-Men: Days of Future Past” ela ficou mais fácil de entender principalmente com o recente filme da franquia “Logan”.

A linha temporal se inicia com “First Class” em 1960 com Charles Xavier juntamente com o mutante do magnetismo Erik Lehnsherr, formando a primeira equipe dos X-Men – vestindo os icônicos uniformes azul e amarelo. Após crise dos mísseis de Cuba durante a Guerra Fria, mais especificamente em 1970, se passa a história de “Days of Future Past”. Após Logan ser capturado por William Stryker no final do filme para ser introduzido no Programa Arma X, se passam 10 anos para os eventos mostrados em “Apocalypse”, onde a Jovem Jean Grey liberta o selvagem Wolverine do complexo Arma X no Canada.

Nesse ponto da história é que entram as explicações cronológicas de “Logan”, após os eventos de “Apocalypse”, em algum momento por volta dos anos 2000, aconteceram os eventos do primeiro filme, sendo citado em um diálogo entre Xavier e Logan sobre o atentado terrorista de Magneto na Estátua da Liberdade. Como Jean liberou os poderes da entidade Fênix contra o vilão Apocalipse, ao invés de bloquear como na antiga trilogia, ela provavelmente teve um certo tempo para se acostumar, portanto acabou não falecendo no final do segundo filme no lago Alkali.

Os eventos “The Last Stand” e “Wolverine: Imortal” foram completamente apagados, como foi visto no futuro no final de “Days of Future Past”, contudo em algum momento após se juntar aos X-Men, Logan teve uma aventura no Japão, como sugerido pela cena no Bunker onde é mostrado uma katana em cima da cama do mutante.

No longa é mostrado que os Mutantes eram populares e vistos como celebridades pelas pessoas comuns nesse universo. Os filmes da primeira trilogia se encaixam na cena onde Wolverine conta a Laura que os quadrinhos não representam nem um quarto do que realmente aconteceu, o que explicaria as mudanças temporais de alguns eventos.

Em 2028 Xavier tem uma convulsão devido a sua idade avançada, sem controlar seus poderes, um dos mutantes mais poderosos do mundo, acaba causando um acidente em Westchester, levando aos eventos de “Logan”, com Wolverine se isolando do mundo junto ao Professor X, para que o telepata não pudesse machucar mais ninguém.

Origens

X-23 ou Laura Kinney interpretada por Dafne Keen, foi criada por Craig Kyle e Christopher Yost, exclusivamente para a animação de 2003 “X-Men: Evolution”. Mais tarde foi levada para os quadrinhos na revista “NYX #3” onde ganhou uma história de origem mais elaborada por Joe Quesada. Laura possui as mesmas habilidades e poderes de Logan, assim como a sua predisposição agressiva.

Criada em laboratório através de uma amostra genética deixada pelo programa Arma X, incapaz de salvar o Cromossomo Y após vinte e duas tentativas, a geneticista Sarah Kinney, propõe a ideia de criar um clone feminino e assim nasce “X-23″.  No filme a cena documentada pela enfermeira para revelar os experimentos que a empresa Alkali Transigen estava fazendo com os novos mutantes, foi baseada fielmente nas histórias presentes na revista “NYX”, onde é mostrado a origem de Laura.

Desde criança treinada para ser uma assassina desprovida de humanidade, Laura só foi conhecer o calor afetivo quando encontrou Logan, que a recebeu de braços abertos depois de muita confusão e pancadaria, desenvolvendo uma relação sincera de pai e filha. Se tornando um membro valioso em diversas equipes mutantes como a X-Force, os X-Men e atualmente vestindo o manto do Wolverine após a morte de Logan no arco “Death of Wolverine” comentado a cima.

O grupo de mercenários, “The Reavers”, que perseguem os protagonistas durante o decorrer da adaptação, tiveram sua primeira aparição nos quadrinhos na revista “Uncanny X-Men #229” em 1988 pelo lendário Chris Clameront e Marc Silvestri. Reunidos pelo ex-Rei Branco do Clube Do Inferno, Donald Pierce é interpretado por Boyd Holbrook (Narcos) no longa. Os Carniceiros são um grupo de mercenários humanos ciberneticamente transformados em máquinas letais, todos eles com razões de sobra para odiar os X-Men.

O mutante Caliban, interpretado pelo britânico Stephen Merchant, vive nos esgotos com os Morlocks. Seu poder consiste em sentir, rastrear humanos e mutantes, além de poder sentir se sua energia é positiva ou negativa. Sua primeira aparição foi em “Uncanny X-Men #148” de 1981 através da dupla Chris Claremont e Dave Cockrun. Em “X-Men: Apocalipse” o mutante é interpretado por Tómas Lemarquis, sendo referenciado por Pierce a mudança de coração do personagem, que costumava vender a localização de outros mutantes por dinheiro e agora resiste as mais diversas torturas para não entregar a localização dos protagonistas, sacrificando-se para protegê-los.

Hyader Oliveira

Estudante de Jornalismo e criador do Blog "Tocah Do Coruja", viciado em escrever sobre quadrinhos, cinema e desenhos animados. Por ser um aficionado por esse universo fantástico desde antes de aprender a ler e escrever, sempre quis saber mais sobre meus heróis favoritos garimpando de blog em blog informações e conceitos relacionados a esse universo.