Resenha – Na Sala da Julie (Julie’s Greenroom – Original Netflix, 2017)

Atenção cinéfilos, mães e pais nerds e amantes do teatro com criança na família! Estreou, recentemente na Netflix, essa produção singela em parceria com a mesma Companhia criadora dos Muppets.

A série é composta por 6 marionetes com personagens distintas e características peculiares que, juntos, participam de Workshops com artistas convidados de Julie Andrews, para que possam compor o próprio Musical, chamado Mistura (Mash Up, no inglês)! Entre eles estão Alec Baldwin, Chris Colfer, Idina Menzel, Josh Groban, entre outros. Cada um dos convidados fala sobre sua experiência e especialidade para as crianças e ensina algo de novo para a composição do musical.

Com o retorno de Julie Andrews, que desde 2010 não aparecia, e mesmo em 2010 emprestou sua voz a personagens de animação,  esta modesta criação é perfeita para assistir com crianças, principalmente aquelas que, de alguma forma, se sentem deslocadas ou diferentes por alguma razão. Porém há espaço para todos dentro do teatro, inclusive para cada incerteza ou dúvida nas cabeças de cada um, e é o que torna a série cativante por si só. Além da Julie ser aquela avó que todo mundo gostaria de ter.

Tudo é trabalhado com delicadeza e um ritmo leve e divertido, com 13 episódios de um pouco menos de 30 minutos de duração e bastante bagunça e música. Para os nostálgicos, tem os mesmos moldes que programas antigos que mostravam as “coisas na vida real”, como em Teletubbies e Art Attack, por exemplo.

Se estava com dúvidas sobre dar uma chance, use seu sobrinho/filho/enteado/vizinho como desculpa para assistir a “Na Sala da Julie” sem julgamentos (e de quebra ainda se divertir aprendendo mais sobre o teatro e sobre os convidados!)