Resenha – Rumo ao Renascimento: Lois & Clark

“Perdemos Muito, Lois. Parentes, Família, Amigos …. Tudo”

Com o renascimento chegando cada vez mais perto, a editora Panini publicou as histórias de Lois & Clark juntas em um único encadernado no mês de novembro, utilizando papel LWC. A publicação conta com as edições “Superman: Lois & Clark 1-8”, concluindo o arco iniciado na saga “Convergência”. Para quem não acompanhou a saga a história pode parecer confusa, porém a dupla Dan Jurgens e Lee Weeks consegue contar uma das melhores histórias do Homem de aço dos últimos anos, trazendo de volta a simplicidade e o otimismo clássico do personagem de antes dos “Novos 52”.

Em Convergência, o casal Lois e Clark ficam presos em Gotham, já casados e esperando o nascimento de seu filho, Jonathan. Depois de um confronto com os personagens da Terra-2, Lois dá à luz a criança na Batcaverna de Thomas Wayne. Após a conclusão da saga os três conseguem fugir para o universo canônico da editora, a Terra-0. O arco inicia com Lois narrando sobre o ataque de Darkside, visto no primeiro arco dos Novos 52 da revista Liga da Justiça. E, momentos antes de fazer a sua primeira aparição como Superman nessa nova Terra, Clark muda de ideia após o Superman desse universo aparecer e dar conta do recado.

Com novos heróis em ação, Clark deixa para trás seus dias de Superman

É claro o espanto da narradora com as diferenças desse novo lugar, os heróis são mais jovens e inexperientes dos que ela lembrava, a população não confia em seus heróis e os criticam sem grandes razões, apenas por puro receio. Com medo o casal decide manter suas identidades em segredo, assumindo o sobrenome “White”, estabelecendo-se em uma fazenda longe das confusões da cidade grande e Clark aposenta a capa.

Se passam 9 anos desde a primeira batalha da liga, utilizando sua experiência jornalística da outra Terra, Lois cria um pseudônimo, o Autor X, focando em denunciar esquemas de corrupção dessa nova Terra, muitas vezes ligado a pessoas importantes, e assim ganha diversos prêmios com o passar dos anos e atrai a atenção diversos inimigos em potencial. Clark, por outro lado, se manteve completamente anônimo, ajudando as pessoas quando possível e recriando uma nova Fortaleza da Solidão, dessa vez utilizando um uniforme todo preto e com símbolo prata, clara referência ao arco “A Morte do Superman” do mesmo autor.

A história em si gira em torno de como a família se adapta nesse novo mundo enquanto é introduzido um novo Superboy, com uma infância relembrando bastante os episódios da série “Smallville”, aprendendo aos poucos como utilizar os seus poderes e vivendo uma vida normal, indo à escola e fazendo tarefas do dia a dia na fazenda, invés de atos heróicos como o pai.

Dan Jurgens, conhecido pelos amantes do homem de aço como uma das pessoas que mais entende o personagem, retribui o amor dos fãs com essa história divertida, mostrando um novo lado de Clark Kent, o de pai e mentor. Casando com a arte mais simples e dinâmica de Lee Weeks, que foca bastante nas emoções dos personagens, ilustrando a vida dessa superfamília.

 Esse encadernado foi idealizado especialmente para quem não gostou da abordagem dos “Novos 52” do homem de aço, trazendo de volta o Superman clássico dos quadrinhos, otimista e familiar, sempre com um sorriso no rosto independentemente da situação, sendo essencial para a nova reformulação da editora, dando início a cronologia do renascimento do universo DC.

Hyader Oliveira

Estudante de Jornalismo e criador do Blog "Tocah Do Coruja", viciado em escrever sobre quadrinhos, cinema e desenhos animados. Por ser um aficionado por esse universo fantástico desde antes de aprender a ler e escrever, sempre quis saber mais sobre meus heróis favoritos garimpando de blog em blog informações e conceitos relacionados a esse universo.