Resenha | Rumo Ao Renascimento: Superman: Fim Dos Dias

“O Maior Herói Que Este Mundo Conhece Está Morrendo”

Com seus dias finais chegando, o Homem De Aço procura seus entes queridos e aliados mais próximos para se despedir, no entanto, enquanto isso o mundo é posto em perigo por novas ameaças, como um impostor se passando por Clark Kent, que insiste para Lois Lane e qualquer outra pessoa que ele conhece que ele é o verdadeiro Superman.22

Superman: Fim Dos Dias, publicado pela editora Panini no começo de abril, no formato de encadernado capa cartão, contendo 196 Páginas em papel LWC, contando todo esse arco fúnebre do escoteiro, com as edições Action Comics 51-52, Batman/Superman 31-32, Superman 51-52 e Superman/Wonder Woman 28-29, marcando o final de uma era dos Novos 52, escrito por Peter J. Tomasi e ilustrado pelos artistas Mikel Janín, Doug Mahnke, Paul Pelletier, Dale Eaglesham, Scot Eaton, Ed Benes e Jorge Jiménez.

Logo no começo a história traz uma sensação nostálgica de volta para a Era De Prata em quase todos os sentidos, ele começa com o Clark na Fortaleza da Solidão com Krypto o Super-Cão, olhando para gigantescas estátuas de seus pais que ele fez em seu tempo livre, porque parecia uma coisa agradável a fazer. Esse começo leve se contrapõe com o teor mais pesado e serio desse arco, coisa que volta a se repetir em alguns outros momentos no decorrer da história, como uma montanha russa.

Pela primeira vez, Superman atual e o Superman mais velho se encontram, apesar do desenvolvimento precário desde encontro para focar no combate contra o impostor, o escritor Peter J. Tomasi tenta mostrar o personagem mais simpático e heroico mostrando como ele resolve seus assuntos pendentes antes de sucumbir ao envenenamento de Kriptonita, consequência de diversos eventos mostrados nas histórias anteriores do personagem. Ainda assim, a batalha final do Superman contra o falso Superman, está bem escrita e ilustrada por diversos artistas o que pode ser algo negativo para o leitor mais detalhista, já que não há um padrão no decorrer das páginas.

O arco dividido em 8 partes dá a sensação de que não vai a lugar algum, com ritmo arrastado para encaminhar algumas series ligadas ao escoteiro para o Renascimento, como o inédito Superman Chinês tomando uma edição inteira de Batman\Superman, ou da aparição da Supergirl, sem qualquer relevância a história, servindo apenas para aumentar a quantidade de páginas deste encadernado, um dos fatores negativos dos megaeventos que ligam diversas revistas.

A maior parte do encadeando, como sua capa, é banhada em laranja, vermelho e amarelo, dando a sensação de um livro em chamas. Há momentos tocantes no arco como entre Lana Lang e Superman em Smallville. Há despedidas necessárias, como aquela entre Superman e Mulher Maravilha. Há até mesmo alguns momentos de tensão entre Batman e Superman, com Bruce tendo que aceitar que as vezes nem o maior detetive do mundo pode resolver todos os problemas.

“Superman: Fim Dos Dias não está no nível de “A Morte Do Superman” de 23 anos atrás. Mas ele faz o seu trabalho de acabar com a era dos Novos 52 com excelência e estabelece o status quo do Homem De Aço para o Renascimento muito bem com diversos personagens novos para serem abordados.

Hyader Oliveira

Estudante de Jornalismo e criador do Blog "Tocah Do Coruja", viciado em escrever sobre quadrinhos, cinema e desenhos animados. Por ser um aficionado por esse universo fantástico desde antes de aprender a ler e escrever, sempre quis saber mais sobre meus heróis favoritos garimpando de blog em blog informações e conceitos relacionados a esse universo.