RESENHA | DC RENASCIMENTO: SUPERMAN VOLUME 1: O FILHO DO SUPERMAN

Superman é talvez o melhor título do renascimento, ironicamente, o Homem De Aço também é um dos relançamentos mais difíceis dessa nova fase para os leitores casuais, dada a configuração extremamente complicada. Grande parte disso é tratada o mais rápido possível na primeira edição, que serve como o primeiro capítulo desta série, já que oito das suas 20 páginas são destinas a flashbacks.

Superman está de volta, e acontece que ele nunca foi embora. Em um momento, o atual Clark até diz a Lana Lang: “Eu sei que é confuso, mas eu sou o Superman, não é o que você conhece”. Atualmente no formato de mensais a Panini está publicando as edições do renascimento, o primeiro arco do homem de aço, “O Filho De Superman”, engloba as edições 1-6 de Superman, ou seja, as três primeiras edições nacionais.

O Superman e Lois Lane do antigo Universo DC sobreviveram ao reboot que deu origem aos Novos 52, e após as convenientes mortes de Superman e Lois, eles gradualmente substituíram os seus homólogos. Afortunadamente, o título secundário de Superman, Action Comics, tem se preocupado em solucionar os mistérios a cerca desses eventos e o porquê desta configuração excessivamente laboriosa.

Vivendo sob nomes falsos em uma fazenda no condado de Hamilton no estado de Metrópolis, Clark e Lois estão criando seu filho em segredo nos últimos cinco anos. As coisas ficam decididamente menos pacíficas quando as circunstâncias obrigam Clark a continuar sendo o superman do mundo após a morte do Superman dos Novos 52, e seu filho Jonathan começa a exibir superpoderes de Kryptonianos, obviamente, sem controle algum sobre seus poderes recém descobertos.

Então, Superman começa a treiná-lo, sob os olhos suspeitos de Batman e Mulher Maravilha, e é durante esse tempo que um antigo robô Kryptoniano aparece, inclinado a limpar Jonathan da existência por causa o pecado genético de ser meio humano. A maior parte do equilíbrio do arco, é com Superman lutando contra o Eradicator em todo lugar e até mesmo na lua, enquanto tenta manter Jonathan a salvo de um final trágico.

Os talentosos artistas Patrick Gleason e Doug Mahnke que revezam como artista primário, são profissionais de longa data com abundância experiência em desenhar quadrinhos em geral e, no caso de Mahnke, esses personagens em particular. Eles fazem um excelente trabalho de exibir combates de super-heróis e todos os poderes espetaculares de Superman e seus inimigos. Os escritores Peter J. Tomasi e Patrick Gleason também têm alguns objetivos com essa história, incluindo a reintrodução de Krypto e um novo Superboy, já que Clark e Lois percebem que talvez o lugar mais seguro para Jonathan seja ao lado do pai, aprendendo a usar seus poderes de forma segura e a serviço do bem.

Esta história pode ser a mais “humana” sobre super-humanos dos últimos tempos. O anseio da adolescência para crescer, o desejo dos pais de proteger, o peso da responsabilidade, a perda de inocência, estão tudo aqui, e está tão bem desenvolvido que no decorrer da trama John vai se tornando cada vez mais querido pelos leitores. Tomasi está escrevendo uma história sobre uma família. Acontece que esta família basicamente contém um deus e um semideus.

A história aqui é construída casualmente a cena da vida familiar “normal”, mas não demora até que se lembra que esta família está longe de ser normal, bem como a grande tarefa que Clark enfrenta como pai.

O trabalho artístico neste arco é exemplar, Mick Gray e John Kalisz usam linhas em negrito e fortes cores primárias para forçar a emoção e proporcionar uma sensação maior do que atrai não deixa parar de olhar. A própria história é escrita cuidadosamente, construindo em ritmo crescente. Peter J Tomasi e Patrick Gleason provocam o leitor com uma olhada na vida dos “Smiths” e dá um passeio de montanha-russa que aguarda a família do kriptoniano.

Mas a escrita impressionante não teria o impacto que pretende se não fosse pela colaboração de Gleason e Mahnke. Retratar esse horrível momento de superpoder adolescente deixou esses painéis levaram consigo uma multidão de emoções que ataca intensamente a alma humana.

Hyader Oliveira

Estudante de Jornalismo e criador do Blog "Tocah Do Coruja", viciado em escrever sobre quadrinhos, cinema e desenhos animados. Por ser um aficionado por esse universo fantástico desde antes de aprender a ler e escrever, sempre quis saber mais sobre meus heróis favoritos garimpando de blog em blog informações e conceitos relacionados a esse universo.